segunda-feira, 22 de maio de 2017

O monstro Verde e o álcool !!

Depois de muito tentar achar uma maneira de falar sobre meu relacionamento com o álcool decidi usar o personagem HULK para tentar me explicar e fazer que me entendam, espero que de certo.
 Sim o HULK, o álcool é o meu monstro verde que tem que ser controlado para não vir a tona, muitas vezes ele me salvou, me deixou desinibido, divertido e cheio de atitudes, mas como o personagem HULK  tudo isto vem junto com um rastro de destruição, mesmo que eu tenha a melhor das intenções.  No meu caso é impressionante como o Monstro domina, fico totalmente a merce dele, tanto que perco até a memória, não lembro nada do que ele faz e só me resta torcer para o estrago não ser grande, não sinto falta de beber no dia a dia, treinei muito o auto controle para manter a fera presa, mas quando passa muito tempo sempre acabo achando que ele já não existe e assumi o controle, grave erro meu, não estou escrevendo isto por que bebi ontem ou fiz algo errado, já faz um tempo que não bebo, é mais para eu me lembrar sempre e me controlar cada vez mais, também para tentar explicar para as pessoas como me sinto e é difícil ser sociável hoje em dia com este monstro habitando meu interior só esperando para sair e ESMAGAR tudo !

Estou falando do meu caso, existem muitos que não tem este monstro e podem beber responsavelmente. 
Vou tentar postar mais seguido, saudade de todos, GRANDE ABRAÇO !!!

sexta-feira, 17 de março de 2017

Uma Banda foda dos 90 que se perdeu e era foda !!! GRANT LEE BUFFALO !!!

Grant Lee Buffalo - Fuzzy (1993)

Não é exagero dizer que Grant Lee Phillips é um dos maiores cantores da década de 90. Seu registro, oscilando entre o alto e o sofrido, é raro e belíssimo. Sua banda, Grant Lee Buffalo, é uma das grandes maravilhas daquela década, criminosamente relegada a um segundo, terceiro plano. A música do GLB era grandiosa, tangenciava o Country, o Rock, toques de David Bowie, tinhas guitarras cortantes e gentis, de acordo com as circunstâncias e era muito, muito bonita. Num tempo em que o Grunge determinava o que era jovem e vendável, um disco tão sutil e lírico como Fuzzy ficou de lado. A quantidade de canções belas aqui é enorme: a abertura com a levada skiffle de Shining Hour, a beleza noturna de Jupiter And Teardrop, o ritmo hipnótico da faixa-título, o humor negro de Dixie Drugstore, é um disco absolutamente perfeito. E pouco conhecido.
Muito bom, esta valendo !!! Grande abraço !!
Fonte: http://monkeybuzz.com.br/artigos/7453/17-discos-esquecidos-dos-anos-90/